14 de setembro de 2017

A Inteligência do Bebê

Durante os primeiros dois anos de vida, a criança está construindo o alicerce de sua percepção, compreensão e atuação no mundo. A inteligência do bebê surge nas ações dele. É uma inteligência prática, que leva à solução de problemas simples e através disso se aprimora. Não é inteligência verbal, não se expressa através de palavras, mas de ações, desde levar o dedo à boca até compreender que se você puxa um carrinho amarrado num barbante ele se movimenta.

 

 

Tais coisas parecem óbvias, porém os pais precisam estimular esta inteligência nascente. De acordo com o estudo feito pela psicóloga Rosane de Souza Amador Pereira, a evolução da capacidade de conceituação, de ver um objeto e reconhecê-lo, é um dos processos mais importantes do desenvolvimento do bebê.

 

A criança precisa adquirir a capacidade de conceituação porque assim ela acumula conhecimento sobre o seu meio ambiente material e social. O pensamento na criança se processa por imagens. Isto quer dizer que ela vê o que pensa ou pensa vendo. A inteligência do bebê se manifesta nas suas ações e se constrói também baseada nas ações e sensações que ele vai gradativamente adquirindo e organizando.

 

Jean Piaget demonstrou que o conhecimento é um ato de criação, isto quer dizer que cada ser humano redescobre o mundo. É através da relação ativa com os objetos que a criança toma posse do mundo, são as ações sensoriais e motoras.

 

É difícil o adulto imaginar o quanto é rica esta inteligência não-verbal e quantas são as realizações da criança.

 

O exercício dos reflexos é o que caracteriza o primeiro estágio do desenvolvimento da inteligência: reflexo de sugar, reflexo palmar (o bebê agarra seu dedo). O recém- nascido evolui através da repetição da ação, até consolidá-la.

 

Gradativamente o bebê coordena os movimentos dos braços, mãos e boca. Depois o bebê já consegue organizar seus movimentos para seguir aquilo que lhe chama a atenção. Ex: Ele organiza a fixação ocular e o movimento de cabeça para seguir um objeto.

 

Nessa fase (1º mês) um móbile pendurado será algo divertido para o bebê e estará estimulando sua capacidade de conhecimento. O bebê começa a passar mais tempo acordado e quieto simplesmente olhando, ouvindo ou sugando os dedos das mãos, dos pés, explorando partes de seu corpo. O mundo externo lentamente começa a ser de interesse.

 

Coloque brinquedos ou desenhos nas paredes para serem percebidos pelo bebê. Converse e cante para ele com seu rosto de frente enquanto troca a fralda ou deixe tocar uma caixa de música.

 

Perceba como durante a amamentação ele para e olha o seu rosto. O bebê também começa a esfregar os olhos, nariz e todo o rosto. Por isso é importante manter suas unhas limpas e bem cortadas.

 

Você perceberá que brincar com seu filho é tão importante quanto alimentá-lo e trocá-lo.

 

É muito importante para o desenvolvimento da inteligência do bebê proporcionar diferentes objetos (como pedaços de tecido, embalagens, coisas que façam ruídos, chaves de plástico, diferentes cores, texturas e tamanhos para o bebê ver e sentir).

 

Dê uma coisa de cada vez e só dê outra quando o bebê perder o interesse em observá-la.

 

Quando a coordenação olho-mão estiver razoável ofereça um chocalho e ensine-o a balançar para ouvir o som, também ofereça um bicho de borracha para apertar e apitar.

 

O importante no desenvolvimento do bebê é que ele faça e descubra por si mesmo.

 

Todo o mundo exterior é novo e magnífico. Não prive seu filho de apreciá-lo. Leve-o para passear. Mas lembre-se de não levá-lo a lugares novos e excitantes perto do horário de sono: a criança pode ficar tão empolgada que não dormirá e acabará ranheta.

 

Entre 8 meses e 1 ano a criança já segura e solta, segura e puxa, empurra e solta. Ela já procura e acha um objeto que você esconde, sob suas vistas, debaixo de uma almofada.

 

A criança gosta de brincar de esconde-esconde. Também é comum que ela aproxime vagarosamente o rosto de um objeto até apertar o nariz contra ele e depois se afasta dele. A criança está descobrindo que o formato e tamanho visual dos objetos variam conforme são movidos para perto ou longe de seu rosto.

 

O bebê de 1 ano a 18 meses se desenvolve atirando objetos para fora do berço e querendo que você os pegue. Esmaga uma bolacha com a mão e observa as migalhas caírem, atira uma colher no chão e observa a queda. Ele começa a perceber a relação espacial, descobrindo que algumas superfícies não são imóveis e podem ajudá-lo a trazer para perto de si objetos que estão fora de seu alcance, então puxa a toalha da mesa.

 

Esta é uma forma inteligente que a criança tem de resolver um problema.

 

Agora você diz: onde está sua bola? Ele irá buscá-la mesmo que não esteja por perto porque agora ele acredita que ela existe independente de vê-la ou não. A exploração dos objetos da casa, como panelas, recipientes de plástico ajuda a criança a adquirir conhecimento e contribui para o desenvolvimento da inteligência.

 

Acompanhar o interesse de seu filho e incentivá-lo será desgastante, mas compensador, pois você estará estimulando sua autonomia para descobrir as leis do mundo e seu domínio por si só.

 

De 18 meses a 2 anos a criança torna-se capaz de representar o mundo exterior através de imagens, memórias e símbolos que é capaz de combinar. Ex: brincar de dormir, fazer de conta que a boneca come, chora. Brincar de casinha, escolinha, posto de gasolina, mocinho e bandido.

 

Também já começa com frases curtas: “dá água”. Se os pais normalmente tem vocabulário rico é provável que a criança seja estimulada a adquirir um vocabulário mais extenso.

 

Daí a importância de ter a criança perto da família ouvindo as conversas dentro do possível. É importante igualmente que os pais, durante o desenvolvimento da fala, traduzam o que a criança diz para frases corretas e mais completas.

 

Quando a criança começa a balbuciar antes de dormir e após acordar ela gosta de brincar de conversar, isto é, o adulto fala, ela presta bastante atenção e responde com algum ruído. Nesta fase, ela imita ações visuais como dar adeus, também imita melodias simples que você canta.

 

Os bebês reduzem as frases, mas os pais devem expandí-las.

 

Exemplo de como estimular o bebê ao progresso da fala:

Criança: “piu-piu”.
Mãe: “ah, você está vendo o passarinho bonito”.

 

Estimular a fala bem como o desenvolvimento cognitivo é um processo de propiciar circunstâncias.

 

Concluindo: A criança precisa de alimento para a sua inteligência tanto quanto para o seu corpo. Mas também precisa de respeito ao seu próprio ritmo e interesses.

 

 

Curtiu esse artigo? Então compartilhe com seus amigos nas redes sociais utilizando os botões abaixo. É uma forma simples e eficaz de levar a mensagem adiante.

 

Inscreva seu e-mail ao lado direito desta página. Assim você receberá todos os novos posts. Até a próxima!

 

 

POSTADO POR

2 comentarios

Deixe seu comentario :)

Contact Us